Tempos livres

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Glória a Deus nas alturas...

Glória a Deus nas alturas.

O Evangelho confirma-nos que os pastores encontraram as coisas em Belém conforme os anjos lhes tinham anunciado: um Menino havia nascido e repousava numa manjedoura! E, regressando, glorificaram a Deus, pois Deus cumpre as suas promessas.

Então, agora que no amanhecer deste dia tão especial verificamos que Deus cumpre as suas promessas… regressemos ao nosso dia-a-dia, glorificando a Deus, como os pastores, com a alegria de sentirmos a nossa esperança de uma vida mais próxima com Deus, uma vez que o Filho de Deus Se fez um de nós!

Ele nos ensinará as coisas de seu Pai! Porque hoje sobre nós resplandece uma luz: nasceu o Salvador.

E o Verbo fez-Se carne e habitou entre nós!
O nosso Deus já não é mais um Deus longínquo, mas um Deus próximo, pois Se fez um de nós, carne como nós! E da sua plenitude todos nós recebemos graça sobre graça! Que melhor podemos querer?
Por isso é Natal. Glória a Deus nas alturas!
A todos desejo um SANTO e FELIZ NATAL!!! Alegrai-vos, Nasceu o Senhor, Nasceu Jesus!!

Um abraço,

sábado, 22 de dezembro de 2007

O Natal está a chegar...



Toda a história humana se organiza para a manifestação da misericórdia divina que será a Redenção (...) Até lá os segredos mais profundos do amor de Deus não tinham sido revelados (...) Com a Encarnação do Verbo, Deus revela no mundo o segredo do seu ser: não é uam aparição do poder, um raio de luz; é uma manifestação desconcertante da bondade. Então apareceu a benignidade de Deus e o seu amor pelos homens. (L. Lochet)


Votos de um Santo e Feliz Natal!!!


Um abraço,

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

O Bom Pastor...



Ao mesmo tempo que anuncia o fim da expiação de toda a culpa e convida a abrir caminhos ao Senhor que vem cumprir a promessa da sua vinda, porque «a palavra do nosso Deus permanece para sempre», o Profeta apresenta o Messias de Natal como um bom pastor empenhado em «conduzir as ovelhas ao seu descanso». E o Evangelho não desmente essa esperança, «pois é da vontade do Pai que não se perca um só destes pequeninos». Razão para cantar com o Salmo: «O nosso Deus virá com poder» de perdoar e salvar o que andava perdido. «Anunciai dia a dia a sua salvação» ao longo deste Advento, para que ninguém deixe de abrir caminhos a tão bom pastor…

Um abraço,

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Para que tenham vida...


Todas as pessoas que sofrem por amarem a verdade, a justiça, a paz e a liberdade, são convidadas a não caírem no desânimo. Mesmo nos momentos mais terríveis e angustiantes da vida de cada um e de cada comunidade, somos solicitados a descobrir os sinais do Reino que se aproxima.

Teremos de nos interrogar: que espécie de cristãos somos nós? Somos semelhantes aos que não têm fé, que desesperam, que não encontram sentido para a vida? Ou somos pessoas que acreditam nas palavras de Jesus, que vivem a fé na Sua pessoa, que estão convertidas à Sua Palavra e se sentem vocacionados para ser a esperança e o optimismo dos dias de hoje, os arautos da Boa Nova de salvação num mundo que caminha para o desespero, porque já não tem valores sólidos nem pontos de referência válidos?

Quem estiver ciente de que a ressurreição de Jesus foi o maior acontecimento para a humanidade, porque com a Sua morte venceu a morte e o pecado – que é no fundo o grande mal –, não se angustia. Mesmo admitindo que o mundo continua envolto em miséria, maldade e pecado, deve manifestar a sua fé, deve ser ocasião de esperança, de optimismo e de alegria para todos aqueles com quem convive, porque Cristo já venceu o mal e nenhuma desgraça, por maior que nos possa parecer, se pode sobrepor à vitória anunciada por Ele, a qual terá lugar quando Deus Pai assim o entender.


Um abraço,

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Não me envergonho ...

Não me envergonho do Evangelho que é força de Deus.

A participação de Jesus numa refeição em casa de um fariseu é ocasião deescândalo para os guardiães da Lei, só porque Ele não cumpriu os ritos depurificação antes da refeição. Mas podemos dizer que também é ocasião deescândalo para Jesus, pois mais importante que estes ritos exteriores, é o que «está dentro», ou seja, o coração das pessoas. Quanto temos que aprender do nosso bom Mestre para que a nossa vida cristã assuma mais o seu estilo. Não nos deve bastar o mero cumprir, nem devem ser estes os critérios. Como será diferente a nossa forma de olhar se aprendermos a atender mais ao interior que ao exterior das pessoas com quem nos relacionamos no nosso dia a dia.

Boas Festas!

Um abraço,

sábado, 15 de dezembro de 2007

Estai vigilantes...



O convite à vigilância que Jesus faz aos seus discípulos é hoje dirigido a todos nós. Somos chamados a descobrir como podemos viver no nosso dia a dia esta atitude de espera atenta do Senhor que vem... Ele vem a cada momento, «à meia-noite ou de madrugada» e surpreende-nos chamando à nossa porta e ao nosso coração. Se vivermos em atitude de viglante espera, seremos capazes de descobrir a sua presença. Devemos, portanto, ter os «rins cingidos» como o peregrino sempre pronto a caminhar, e «as lâmpadas acesas» para poder ver o Senhor que vem ao nosso encontro. Se vivermos esta atitude de espera amorosa, o Senhor virá, e será Natal em nós, porque o Senhor fez sua morada em nossos corações!

Boas Festas,





Um abraço,

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

O dom gratuito de Deus é a vida... em Jesus Cristo.



Para compreender correctamente as afirmações de Jesus: «Eu vim trazer o fogo à terra... eu vim trazer a divisão», temos que as colocar dentro da sua missão salvífica. Ele vem trazer à terra um fogo diferente, um fogo de amor que quer acender no coração de cada pessoa. Mas é precisamente este fogo que vai gerar divisão, ou seja, este fogo levar-nos-á a rejeitar tudo o que se oponha a ele. Nem sempre é fácil viver esta tensão, mas é este o desafio que Jesus nos lança. Tal como Ele, não podemos viver uma paz que seja mera acomodação; a paz que nos toca construir não pode pactuar com formas de pensar e agir contrárias ao amor. Saibamos levar o fogo do amor, queimando em nossos corações tudo aquilo que nos afasta de Deus.

Bom fim de semana!!!

Um abraço,

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Preparai o caminho...


Antes de começar, as minhas desculpas por não ter actualizado o blog com frequência, mas a maldita da gripe pôs-me de cama uma data de tempo...


Uma voz brada no deserto, preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas... Este foi o apelo feito por João Baptista no deserto. Também nós, hoje, devemos preparar o Natal. Não só enfeitar as nossas casas, mas acima de tudo preparar o nosso coração, porque só assim será Natal em nós!!! Que este ano o Menino que nasceu em Belém à 2000 anos nasça no nosso coração para que na noite da consoada possamos cantar alegremente, Gloria, in excelsis Deo!


Boas Festas!


Um abraço,

sábado, 8 de dezembro de 2007

Magnificat...


Magnificat


A minha alma glorifica o Senhor *

E o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.


Porque pôs os olhos na humildade da sua Serva: *

De hoje em diante me chamarão bem aventurada todas as gerações.


O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas: *

Santo é o seu nome.


A sua misericórdia se estende de geração em geração *

Sobre aqueles que o temem.


Manifestou o poder do seu braço *

E dispersou os soberbos.


Derrubou os poderosos de seus tronos *

E exaltou os humildes.


Aos famintos encheu de bens *

E aos ricos despediu de mãos vazias.


Acolheu a Israel, seu servo, *

Lembrado da sua misericórdia,

Como tinha prometido a nossos pais, *

A Abraão e à sua descendência para sempre.


Glória ao Pai e ao Filho *

E ao Espírito Santo,

Como era no princípio, *

Agora e sempre.

Amen.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Sabedoria...


Concedei-nos Senhor, Serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, Coragem para modificar aquelas que podemos e Sabedoria para distinguirmos umas das outras. (Autor desconhecido)



Um abraço,

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Vigiai e orai...



«Vigiai, porque não sabeis em que dia virá o Senhor... portanto, vigiai». (Mt 24, 42.44)

Por diversas vezes o Senhor nos convida à atitude da vigilância, que nos leve a evitar o comportamento dos homens no tempo do dilúvio, em que comiam e bebiam, casavam e davam em casamento, mas pouco se importavam com isso. Não se preparavam interiormente, nada disso lhes interessava, eles tinham tudo e nada lhes faltava, mas quando Noé entrou na arca, choveu e todos pereceram...

Também nos nossos dias andamos demasiado desatentos e nem nos apercebemos que o Natal está próximo, é preciso preparar o nosso coração, mudar de vida e acolher o apelo do Senhor, 'vigiai e orai'. Mas não é só para viver o Natal que é preciso preparar o nosso coração; é preciso prepará-lo para o encontro com o Senhor, porque não sabemos o dia nem a hora em que o Senhor nos virá para uma vida nova, uma vida para além da morte corporal, uma vida onde O veremos tal como Ele é.

Que este tempo de Advento desperte em nós essa necessidade de vigilância, mas também de oração, porque é por meio da oração que Deus se revela e realiza em nós maravilhas.


«A vós, que esperais, na alegria espiritual, o próximo nascimento do nosso Redentor, conceda-vos Deus o prémio da vida eterna, quando Ele vier de novo na majestade da sua glória. Ámen.» (cf. Benção Solene do Advento).


Um abraço,

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Ide e ensinai...


Ide e ensinai todos os povos!

Foi este o mandamento do Senhor quando enviou os seus Apóstolos em Missão, foi este o mandamento que ao longo dos séculos tem ecoado nos ouvidos dos missionários... É este o mandamento que o Senhor torna presente nos nossos dias 'Ide e ensinai'. Não se dirige só aos missionários, mas a todos os homens de boa vontade. Porque ir em missão, não é só partir para África, Ásia, América Latina... Essa é a missão Ad Gentes, mas também é preciso evangelizar onde nos encontramos. As nossas casas, as nossas cidades, os nossos empregos necessitam de ser reevangelizados, porque nos esquecemos da nossa identidade cristã!

A 'velha' Europa tende a esquecer as suas raízes fundadas sobre o Cristiannismo. Deus para quê? Quando tudo nos parece vir da ciência, do trabalho, do espaço. Esquecemo-nos que o grande arquitecto e engenheiro foi o Senhor. N'Ele vivemos, nos movemos e existimos, a Ele pertencemos.

Tantos e tantas que ainda não conheceram Cristo, ou que o esqueceram, a todos eles é necessário levar o nosso testemunho de vida e de fé... Não nos acomodemos dentro das nossas "carapaças", porque lá fora há quem ainda não ouviu falar de Deus ou não se deixou 'queimar' por aquele Amor que arde sem se ver... Porque quando nos 'queimamos' de verdade, ficamos em brasa e incendiamos os que nos rodeiam.

A Igreja faz memória, hoje, de um grande missionário, S. Francisco Xavier - Apóstolo das Índias. Francisco, nasceu no Castelo de Xavier em 1506. Foi um dos maiores missionários da Igreja, tendo recebido o título de "padroeiro das missões". Em 1504 partiu para a Índia e Japão, a fim de evangelizar estes países. Muito sábio, soube adequar a mensagem evangélica às culturas que encontrou. Teve grande influência junto dos pagãos, convertendo e baptizando muitos deles. Morreu em 1552, com apenas quarenta e seis anos. Os seus restos mortais, repousam em Goa.


Que a vida de S. Francisco Xavier seja para nós um exemplo e que ele nos ajude a viver santamente este Advento de 2007.


Um abraço,

sábado, 1 de dezembro de 2007

O espelho...


Durante uma lição acerca da civilização grega, o professor levantou-se e disse:

- Há alguma pergunta?

Um dos alunos perguntou:

- Senhor doutor, qual é o sugnificado da vida?

O professor compreendeu que se tratava de uma pergunta séria e, tirando do bolso um pedaço de um espelho, disse:

- Quando eu era criança, durante a guerra, encontrei um dia um espelho em pedaços. Peguei no fragmento maior, comecei a brincar com ele e deixei-me encantar pela possibilidade de dirigir a luz reflectida para lugares escuros onde o sol nunca brilhava. Guardei até hoje este pequeno pedaço de espelho. Ao tornar-me adulto, percebi que não se tratava de uma brincadeira de criança. Também eu como o espelho, posso enviar a luz da verdade, da alegria e da paz para os espaços escuros dos corações das pessoas.

É este para mim o significado da vida: ser luz para os outros. (in Agenda Jovem 2006)
Deixo-vos este texto para meditarem e tentarem descobrir qual é o significado das nossas vidas...

Um abraço,

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Como são belos os pés que anunciam a Paz...


Comemora-se hoje a festa de Santo André, Apóstolo, natural de Betsaida, foi primeiramente discípulo de João Baptista e depois seguiu a Cristo, a quem apresentou também seu irmão Pedro. Anunciou o Evangelho na Ásia Menor e foi crucuficado na Grécia, numa cruz em forma de 'X'.

Anunciar a Palavra de Deus nem sempre foi fácil, ainda hoje também não o é, e testemunho disso são os inúmeráveis mártires, que deram testemunho com a sua própria vida! Mas para quê? Pensamos nós. O mundo não mudou... É verdade que o mundo não mudou mas eles encontraram o caminho no Senhor, não eram eles que viviam, era Cristo que vivia neles... Eles eram instrumentos nas mãos do Senhor...

Conta-se que uma vez um pastor foi guardar o rebanho para uma serra. Quando chegou com a suas ovelhas encontrou abrigo ao pé duma caneira. Olhou para as canas à sua volta e começou a imaginar... Pegou da navalha que trazia no bolso e cortou uma cana. A coitada da cana estremeceu. Desejou nunca ter nascido, para ser tão violentamente arrancada à vida. Malvado pastor, pensou. O pastor começou a descascá-la e cortou-lhe mais um pedaço. Com a sua navalha foi fazendo cortes e a cana cada vez mais desgostosa amaldiçoava a sua sorte. O pastor colocou a cana ao sol... Ela suava por todos os lados. Mais tarde arranjou um prego e começou a espetar na cana. Repetiu por várias vezes... Pegou na navalha e fez um golpe...
Pegou na cana e colocou-a entre os lábios. A cana pensava que era o seu fim.... Entretanto sentiu uma brisa a percorrer-lhe as entranhas, não queria acreditar. Pelos buracos feitos pelo prego saía agora uma bela melodia!

O pastor tinha feito daquela cana uma flauta, e agora ambos se podiam deliciar... A cana estava feliz porque era útil e o homem porque tinha uma flauta que o ajudava a passar o tempo e ao mesmo tempo compunha belas melodias...

Também nós muitas das vezes somos canas, amaldiçoamos a nossa 'sorte' mas depois do sofrimento, vem a consolação e certamente que nos sentiremos felizes por termos sido úteis!

Desejo-vos um bom fim de semana, até breve.

Um abraço,

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Confia no Senhor...

Quando vos invoco, sempre me atendeis, Senhor...


Ao longo dos séculos muitos invocaram o Senhor e Ele os atendeu. É surpreendente o testemunho que nos dá o profeta Daniel. Todos os dias ele orava três vezes, desobedecendo ao decreto real que proibia qualquer oração a deus ou homem... Ele não se importou com isso... Pelo contrário, sabia que os homens nada podiam contra a vontade de Deus.

Depois de ter sido condenado e ser lançado aos leões nada lhe aconteceu porque o Senhor enviou o seu Anjo para fechar a boca dos leões e eles não lhe fizeram mal...
É o próprio rei Dário, que mandarara lançar Daniel aos leões, quem dá testemunho do poder do Senhor, afirmando: «Ele salva e liberta, faz sinais e prodígios nos céus e na terra. Ele salvou Daniel da garra dos leões.» (Dan 6, 28)

Quando necessitamos não nos devemos fechar em nós próprios, devemos procurar auxílio no Senhor, Ele é o médico que cura, a Sua mão e o Seu santo braço, nos dão a vitória... Ele conhece tudo, sabe o que nós necessitamos mesmo antes de pedirmos, mas Ele gosta e quer que Lhe peçamos... Nada nos negará, se essa for a Sua vontade. Quem é o pai que dá um garfo a um filho quando sabe de ante-mão que ele o usará para se magoar? Penso que nehum...

Um abraço;

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

A humildade...

Não és bom porque te louvam, nem desprezível porque te censuram; és o que és, e o que poderão dizer de ti, não te fará melhor do que vales aos olhos de Deus. (Autor desconhecido)


A verdade é que a sociedade tende a dar demasiada importância a pequenos pormenores e numa cultura de massas, todos tendem a seguir uma linha... Tão depressa se gosta duma coisa ou é moda determinado artigo, como dum dia para o outro o que "move" multidões é algo completamente diferente e por vezes contraditório...


Um abraço,

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Os amigos...


Hoje queria homenagiar os meus amigos... Os de longa data, mas também os mais recentes...

É importante o papel dos amigos... É que ser amigo nem sempre é fácil, porque exige de nós uma entrega, um dar-se permanentemente sem reservas e sem medo, estar presente nos bons e maus momentos, enfim, tantas coisas difíceis de enumerar.

Mas ser amigo é algo fantástico e fascinante, muitos deles, os bons, são uma caixinha de surpresa constante, porque conseguem sempre surpreender-nos mesmo quando tudo nos parece óbvio, são como o condimento da comida, dão outro sabor à nossa vida e à nossa existência. Bem, mas também há aqueles amigos, para os quais tudo parece igual a ontem, não muda nada, tão ali quando precisamos, mas muitas das vezes nem damos pela sua presença, passam despercebidos...

Apesar de tudo os amigos são fundamentais para o nosso crescimento como pessoas porque nos ajudam a perceber que o mundo não gira só à nossa volta, e que não estamos sozinhos na imensidão do universo...
Para todos os meus amigos, desejo-lhes tudo de bom e espero que consiga corresponder à nossa Amizade!!!

Um abraço;

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

O tempo...

"Debaixo do céu há momentos para tudo, e tempo certo para cada coisa: Tempo para nascer e tempo para morrer. Tempo para plantar e tempo para arrancar as plantas. Tempo para destruir e tempo para construir. Tempo para chorar e tempo para rir. Tempo para atirar pedras e tempo para apanhar pedras. Tempo para abraçar e tempo para se separar. Tempo para ganhar e tempo para perder. Tempo para guardar e tempo para deitar fora. Tempo para rasgar e tempo para coser. Tempo para calar e tempo para falar. Tempo para amar e tempo para odiar. Tempo para a guerra e tempo para a paz.
Que tira o homem de toda a sua fadiga?" (Ecl. 3 1-9)

Apesar da passagem dizer que há tempo para tudo, muitas das vezes não é essa a nossa convicção. Andamos demasiados ocupados e parece que o tempo não chega para nada; são os empregos, o trânsito, a confecção de refeições, sei lá, tanta coisa para fazer, quase parece que não sobra quase tempo para nós próprios, quanto mais tempo para os outros... Que fazemos? Para onde vamos? O que aprendemos? Por vezes esquecemo-nos de partilhar as nossas pequenas descobertas do dia a dia com os outros, porque - dizemos nós - não temos tempo... Mas pior que não ter tempo é o mau uso que damos ao tempo que temos... Por vezes preferimos o nosso próprio conforto a algo que nos leve a dar um pouco de nós mesmos.

Hoje quis aproveitar o dia para fazer várias coisas, desde as que tinha obrigatóriamente de fazer, às que nem sequer estavam planeadas... Fui dar sangue... Dar sangue é dar vida! Muitas das vezes esquecemo-nos que pequenos gestos (que custam pouco) podem ajudar quem mais precisa. É claro que poderia ter ido ao cinema, ler um livro, fazer compras de Natal, ou passear pelo centro comercial, mas optei por ir dar sangue, foi uma escolha que fiz e não me arrependo porque dei por bem empregue o meu tempo.

O dia continua a ter 24 horas, mas o que fazemos nessas 24 horas pode fazer toda a diferença... Por vezes precisamos de sair da nossa carapaça e verificar que lá fora também à vida, e que o mundo não gira só à nossa volta...

Talvez valha a pena pensar nisso!

Até breve. Um abraço;

domingo, 25 de novembro de 2007

Faz frio...


Hoje faz frio...
Talvez ainda não estamos habituados às baixas temperaturas próprias desta altura do ano porque o calor este ano prolongou-se por Outubro e Novembro... Fui tomar café e tive oportunidade de ficar a admirar a paisagem... À minha frente, via-se a ondulação do mar e estendia-se o imenso oceano, até perder de vista e lá longe o céu e o mar uniam-se, deixavam de ser dois "elementos" diferentes e tornavam-se num só.

Ao olhar para o horizonte dei por mim a pensar nos sem-abrigo, homens e mulheres que não têm um lugar quente e acolhedor onde repousar; como devem ser difíceis para eles estes dias frios!!! Lembrei-me ainda duma reportagem que vi à dias, sobre o ciclone no Bangladesh, onde as vítimas que sobreviveram à catástrofe se deparavam com um cenário desolador, a que se juntava a falta de alimentos e alguns ainda viriam a perecer devido às doenças...

Como me devia sentir feliz, porque tenho uma casa acolhedora, comida na mesa e amigos, mas sinto alguma tristeza porque à minha volta há quem passe necessidade...

A minha prece hoje dirige-se para estes homens e mulheres que são privados destas "regalias" e que mesmo assim encontram ânimo e coragem para enfrentar o dia a dia!


Um abraço amigo,

sábado, 24 de novembro de 2007

A Natureza...



Na beleza da flor contempla a beleza do Criador!

Como é bela a Natureza que nos rodeia, mas andamos demasiado preocupados com os afazeres do dia-a-dia que nem temos tempo para nos maravilharmos com a beleza da Criação.

O frio, o vento, o sol, a chuva, tudo faz falta e apesar de muitas das vezes não gostarmos da chuva, porque temos de andar com chapéu de chuva, ou do frio, que nos obriga a usar roupas mais quentes, eles são essenciais para a renovação da vida na natureza. Se não fizesse frio como poderia haver neve para esquiar, e se não chovesse? Como regariamos as plantas? A natureza tornaria-se num deserto árido onde poucas formas de vida sobreviveriam e deixariamos de ter lugares exóticos...

Se calhar, muitas das vezes lamentamo-nos porque nunca estamos satisfeitos com o que nos rodeia, mas já diz o ditado; não se pode agradar a gregos e a troianos!!!

Hoje termino por aqui, votos de bom fim de semana.

Um abraço,

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

O meu "próximo"...

Aqui à tempos vivi uma situação que não me deixou indiferente... Quando vim estudar para Lisboa, e na azáfama do dia a dia fui contactando com novas situações que para mim eram desconhecidas e que apenas conhecia quando a "caixinha mágica" da televisão as revelava. Pensava eu, erradamente, que a pobreza era coisa dos países de África e do terceiro mundo, e que no nosso país isso eram situações pouco normais...

Um dia fui acordado dessa minha realidade "virtual". Fiquei em choque! Estava eu a sair da estação do Metro no Cais do Sodré, quando uma senhora de idade, me aborda e pede gentilmente uma "moedinha" para comer... Não liguei, estava atrasado e o electrico não espera por ninguém. A situação repetiu-se por mais umas quantas vezes e não lhe dei a devida importância. A verdade é que nunca mais encontrei a dita senhora... Que lhe terá acontecido, pensei eu?

À poucos meses a minha pergunta teve resposta.

No mesmo sitio das outras vezes, lá estava a dita senhora, agora bem mais velha, o tempo passou (5 anos) mas nada se alterou. A senhora continuava a pedir, mas agora o seu apelo era mais forte, chorava porque todos os que passavam por ela se sentiam indiferentes com o que viam. Também eu! Mas um dia foi diferente. Nesse dia, fazia frio, o tempo estava escuro, um autêntico dia de inverno, eu estava com pressa (como sempre) pus a mão na mochila para tirar o passe, quando me recordo que nesse dia tinha colocado alguns mantimentos para o lanche na mochila (fruta, leite com chocolate e umas bolachas). Pensei, vou partilhar este meu "lanche" com a pobre senhora, assim fiz. A senhora não queria aceitar, mas eu insisti. Após alguma insistência da minha parte, aceitou, resignada...

Eu prossegui o meu caminho...

Durante esse dia, e ao contrário dos dias anteriores, não tive fome... Antes pelo contrário, sentia-me cheio interiormente, porque nesse dia fui mais além, vi no outro o meu "próximo"!!

Dias depois encontrei novamente a senhora, e via sentada num banco a partilhar a sua comida com outro necessitado. Certamente que partilhavam mais que alimentos, partilhavam a necessidade de mendigar!


Por hoje fico por aqui! Que esta minha experiência nos leve a descobrir quem é o nosso próximo...

Um abraço amigo;

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Era uma vez...


Era uma vez... Assim começavam as histórias de encantar que todos ouvimos contar na nossa infância (para alguns já lá vão alguns anos). É assim que inicio este blog, não sei se vou ter muito tempo para escrever ou para partilhar emoções com os meus amigos, os de sempre e os que venha a fazer no futuro.

Escrever nem sempre é facil, muito menos para pessoas que nem sempre conhecemos. Mas espero que os vossos comentários me ajudem a tornar este blog, num sítio agradavel onde possamos trocar ideias e lições de vida.

A si, caro amigo, que dedicou algum do seu precioso tempo a ler estas linhas, obrigado, espero que volte em breve.

Um abraço amigo!