Tempos livres

sábado, 9 de agosto de 2008

Edith Stein...


A Igreja celebra hoje a memória de Edith Stein, Santa Teresa Benedita da Cruz, Co-Padroeira da Europa. Deixo-vos um breve resumo da sua vida, ela que era judia e que se converteu ao Catolicismo, entrou para o carmelo e morreu numa câmara de gás em Auschiwitz.


Edith Theresa Hedwing Stein (Breslau, 12 de Outubro de 1891 — Auschwitz, 9 de Agosto de 1942) foi uma religiosa alemã, a última de onze irmãos de uma família judia que professava o Judaísmo. Seus pais judeus foram Siegfried e Augusta Courant Stein. Faleceu, aos 51 anos, asfixiada, numa câmara de gás, a 9 de Agosto de 1942, no campo de concentração de Auschwitz, na Polónia. Foi professora de Filosofia, sendo discípula de Edmund Husserl(Fenomenologia) e secretária particular desse filósofo.


Quando menina e adolescente, não obstante os pedidos de sua mãe em professar a fé judaica, ela qualificava-se sempre de ateia. Contudo, acompanhava a mãe à sinagoga mais por delicadeza do que por convicção religiosa, passando o tempo a distrair-se e olhando para quem entrava e saía.Pelos seus 30 anos, passando as suas férias grandes em casa de uns amigos na Baviera, no Outono de 1921, veio-lhe par às mãos a autobiografia de Santa Teresa de Ávila, intitulada «Livro da Vida». Ficou tão encantada que acabou por ler o livro completo, durante toda a noite. Depois disse: “Aqui está a verdade!”. Comprou um catecismo católico e um missal e entrou, pela primeira vez, num templo católico, participando na Missa. Após algum tempo de preparação, recebeu o Baptismo, aos 31 anos, no dia 1 de Janeiro de 1922.
A família, profundamente desgostada, cortou, durante algum tempo, relações com ela.

Aos 42 anos, em Setembro de 1933, Edith comunica à mãe a entrada próxima na vida religiosa da Ordem Carmelita Descalça, ingressando no Carmelo a 15 de Outubro de 1933, tomando o nome de Teresa Benedita da Cruz. Por licença especial das suas superioras, escrevia todas as semanas à mãe, sem obter qualquer resposta, até que, por fim, recebeu um bilhete da mesma.
Para escapar à perseguição nazista, fugiu em 1940 da Alemanha para os Países Baixos. Mas quando esta nação foi ocupada pelos nazis, Edith foi presa com a sua irmã. Saiu do convento de hábito carmelita que continuou a usar no campo de concentração, oferecendo a sua vida, como ela disse, pela conversão ao Catolicismo do povo hebreu. O seu número de prisioneira era o 44070.

Pelo seu heroísmo cristão, no dia 1 de Maio de 1987, foi beatificada por João Paulo II em Colónia e, a 11 de Outubro de 1998, foi canonizada pelo mesmo papa, sob o nome de Santa Teresa Benedita da Cruz, ou apenas Teresa da Cruz.

No dia 1 de Outubro de 1999, o Papa João Paulo II, numa Carta Apostólica em forma de ‘Motu Proprio’ intitulado «Spes aedificandi», proclamou Santa Benedita da Cruz, juntamente com Santa Brígida da Suécia e Santa Catarina de Sena, co-padroeira da Europa pelo particular contributo cristão que outorgou não só à Igreja Católica, mas especialmente à mesma sociedade europeia através do seu pensamento filosófico. A Igreja celebra a sua memória no dia 9 de Agosto de cada ano.
Fonte: wikipédia

domingo, 3 de agosto de 2008

Não fostes vós que Me escolhestes...

Não fostes vós que Me escolhestes, mas fui Eu que vos escolhi (Jo 15, 16).


Estas palavras levam-nos a contemplar as maravilhas do Senhor, fomos predestinados para cumprir a missão que Ele tem para cada um de nós. Sim, Ele escolhe cada um de nós para lhe confiar uma missão, não segundo os nossos méritos, mas segundo a Sua vontade.

É com alegria e comoção que recordo as palavras do Evangelho de S. João «as minhas ovelhas escutam a minha voz. Eu conheço as minhas ovelhas e elas seguem-me» (Jo 10, 27). Ele chama-nos continuamente e fica feliz quando de coração arrependido e sincero, cada um aceita a sua missão.

O Bom Pastor que dá a vida pelas Suas ovelhas e que não deixa que nenhuma delas seja arrebatada, confiou-me o ministério de ser portador e difusor da Sua Palavra, para que possa levar aos irmãos a Sua Palavra e o Seu Preciosíssimo Corpo e Sangue, manancial celeste, que nos leva a uma união mais íntima e profunda com o Criador.

Tornando-nos já participantes da alegria celeste, saboreando e alimentando-nos com o Pão vivo, Corpo do Senhor Vivo e ressuscitado. Oh inextinguível amor, quiseste tornar-Te nosso alimento e companheiro de viagem, fica connosco Senhor, pois aquém iremos nós, só Tu tens palavras de vida eterna.

Por Cristo, com Cristo, em Cristo, assim se deve definir a missão e a vida do cristão, configurado com Cristo, todo o seu ser proclamará as maravilhas do Senhor.

Por Cristo, pois é em seu nome que anunciamos o Seu Evangelho, a Boa Nova, e manifestamos aos irmãos a bondade e a misericórdia do Senhor, Ele que é o Salvador do mundo.

Com Cristo, porque Ele não nos deixa sós «para onde eu vou vós não podeis ir por agora», Eu vou à vossa frente para vos preparar uma morada na casa de meu Pai, no entanto quando partir, o Pai enviar-vos-à o Paráclito, pois Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos. Não temeis o Espírito Santo fará em vós maravilhas, Ele que Espírito de Verdade, da Fortaleza, da Sabedoria. «Se permanecerdes fiéis, as vossas obras serão maiores que as minhas».

Em Cristo, cabeça da Igreja Peregrina – fundada sobre o apóstolo Pedro, que questionado pelo Senhor, por três vezes; «Simão, filho de João, tu amas-Me?» lhe responde: «Senhor, bem sabes que Te amo.» Então Jesus acrescentou: «Apascenta as minhas ovelhas» (Cf. Jo 21, 13-19). – cujo corpo somos todos nós, que fomos baptizados em Cristo, o Senhor diz-nos «Segue-me»! Preciso de ti.