Tempos livres

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Férias...

Para muitos este tempo em que estamos é tempo de férias. Os mais novos já entraram nas férias escolares, aos poucos as faculdades também estão a entrar em férias e por fim, muitos dos que trabalham também vêm chegar o merecido descanso.

Os destinos são os mais variados, desde a praia ao campo há ofertas para todos os gostos e carteiras.

Mas este tempo de férias serve ou deveria servir para nos encontrarmos com nós próprios e com os que nos rodeiam. Não será uma tarefa fácil porque queremos descansar e deixar bem longe os problemas que nos atormentam todo o ano, contudo talvez este fosse p tempo ideal para estar junto dos que mais gostamos e reflectir um pouco sobre o que tem sido a nossa vida, porque a nossa vida muitas das vezes é vivida e ("feita") à medida dos outros. São os pais que modelam as suas vidas em função dos filhos e dos empregos, são os filhos em função da escola e dos pais, e poderia continuar a enumerar umas quantas relações mas por agora não vale a pena.

Possívelmente se conseguissemos tornar este tempo de descanso porveitoso certamente que no regresso sentirno-ia-mos pessoas novas, porque tinhamos redescoberto a alegria de viver no seio da família, e as tradicionais férias teriam servido para esclarecer algum mal entendido ou quem sabe, evitar algum...

Aos que se encontram de férias, espero que as aproveitem bem, aos que estão quase de férias, não desanimem porque já falta pouco. Aos que não podem tirar férias, não desanimem porque também o vosso coração não pode tirar férias, porque se isso acontecer, deixariam de viver.

Um abraço, BA

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Ponho-me a pensar...

A dada altura no Evangelho de São Mateus pode ler-se: «Jesus saiu de casa e foi sentar-se junto do mar» (Mt 13,1).

Ponho-me a pensar nas nossas pequenas migrações de Verão. Milhões de pessoas repetem este gesto de Jesus.

Eu acredito que tal como os outros gestos de Jesus, nesse também há um significado libertador. Há uma liberdade que o vento fresco do mar arrasta para o nosso coração.
Somos habitados por uma fome de vastidão, de silêncio e de beleza que a contemplação do oceano consola.

Porque, como escrevia Fernando Pessoa, somos da altura do que vemos e não simplesmente da nossa altura.

José de Mendonça

terça-feira, 8 de julho de 2008

Em memória da prima Nela...

A minha oração, hoje, é para ti e por ti...

Não me recordo o dia em que te connheci, ou que começaste a fazer parte do meu círculo de amigos, lembro-me de me falarem de ti... Mas quando alguém te conhece com tempo e disponíbilidade, nada mais pode ficar como outora.

Fez esta semana um ano que tu partiste... Partiste para a casa do Pai... Mas a tua partida apesar de nos deixar sós e com um grande vazio, deixa-nos também a certeza da tu apresença connosco neste caminhar. Também nós caminhamos em direcção à casa do Pai.

Hoje, como em tantos outros dias, o meu pensamento te trás à memória. Sempre com um sorriso nos lábios, uma palavra de carinho e atenção... Sempre preocupada com os mais necessitados e com os que te rodeiavam... Apesar dessa tua docilidade, a vida foi ingrata para contigo...

A doença quis ser uma constante na tua vida... Lutáste com todas as tuas forças e com determinação... Era visível essa tua luta intensa, e que poucos imaginam o sofrimento, no entanto nunca te resignaste e aproveitaste a vida como pudeste... Como o teu sorisso era sincero, vinha do fundo do teu coração e apesar de tudo dizias: "Seja o que Deus quiser..."

A tua partida foi serena, assim como uma vela que lentamente se vai consumindo, assim foi o terminar desta tua passagem pela terra... A vela que ardia incessantemente em ti, foi-se dissimulando sem contudo deixar de brilhar, e lentamente se foi apagando e tu, aos poucos vias face a face o teu Senhor...

Foi grande a dor que se abateu quando partiste, a triste noticia da tua morte deixou-me (deixou-nos) perturbado(s), porque gostávamos de ti. Na derradeira despedida, uma vez mais me vieram as lágrimas aos olhos porque é sempre difícil a separação...

A tua vida foi exemplo de santidade como o foi também a tua partida, por isso te peço que da casa do Pai nos acompanhes e que junto dEle intercedas por nós, porque um dia se Deus quiser nos encontraremos na casa do Pai.

Pai Nosso que estais no céu santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

Dai-lhe Senhor o eterno descanso entre o explendor da Luz perpétua. Amén.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

...

Caro visitante!

Sei que o blog não tem sido actualizado com regularidade, mas neste momento não tenho conseguido "blogar", porque o tempo é curto...

Espero em breve trazer novidades fresquinhas, e obrigado pela sua visita.

Aproveito para enviar um abraço ao Fernando d' Oliveira que foi pai esta semana, para ele e para a São, as maiores felicidades.

Para si caro visitante, tudo de bom e, até breve.

Um abraço,