Tempos livres

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Uma sugestão de leitura...


Hoje sugiro um livro, "Qualquer coisa de bom". É um romance de uma autora conhecida, Sveva Casati Modignani, autora de “Baunilha e Chocolate”. Eu gostei e penso que se lerem também vão gostar.

Deixo-vos aqui o “trailler” para os mais curiosos e interessados.

“A leitura do testamento de Alessandra Pluda Cavalli vai provocar um tremendo choque ao seu marido, Franco, e aos seus três filhos. A parte mais substancial do seu património tem um único herdeiro: Ludovica Magnasco, porteira do prédio em que vive a família Cavalli. Ludovica, a quem todos chamam Lula, sente-se igualmente perturbada por este legado, cujo significado não consegue alcançar. Lula, que tem tido a sua conta de adversidades, é amada e respeitada por todos os moradores do prédio graças à sua inteligência e bom carácter. Mas tal não é suficiente para explicar o que terá levado Alessandra a deixar-lhe aquela fortuna. Certamente que não foram pequenas delicadezas com que por vezes Lula a agraciava, nem tão-pouco as confidências que trocavam. A explicação, que tem as suas raízes num segredo de família desde sempre guardado com zelo, afecta-a e perturba-a, mas não altera as suas convicções: o dinheiro só nos ajuda a viver melhor se o usarmos também para nos tornarmos úteis ao nosso próximo. A indicar-lhe o caminho está agora o acaso, que cruza o seu destino com o do fascinante Guido Montini, um reputado veterinário dedicado a acções de voluntariado…”

Espero que gostem, um abraço,

domingo, 24 de fevereiro de 2008

O descanso...

Quando escrevo estas linhas encontro-me em Viseu, à lareira porque lá fora faz frio, não que seja muito, mas sempre incomoda um pouco.

Não trago uma ideia fixa para partilhar convosco, mas lembro-me de esta manhã enquanto caminhava por uma rua quase deserta a contrastar com as movimentadas ruas da Capital, tive oportunidade de ver um riacho a correr apressadamente, mas que mesmo assim não deixava de cantarolar e ao longe ouvia a voz do sino, que marca os passos das aldeias em redor, e como é engraçado e típico das aldeias do interior o sino fazer-se ouvir. Não dá só as horas, é a vida da própria população.

Por vezes sentimos (ou devíamos sentir) necessidade de quebrar a rotina do dia a dia e tirar um fim de semana para nos dedicarmos só a nós, esquecendo os problemas de toda a semana, ou pelo menos tentar que eles não nos perturbem no fim de semana, e de certeza que no regresso nos sentiremos renovados, mais leves e com mais vontade… Olharemos os problemas de maneira diferente e o que nos poderia parecer difícil de ultrapassar, com espírito renovado, deixará de ser um bicho de sete-cabeças.

Até breve! XXIV-II-MMVIII

Um abraço,

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

A visita...


Há dias recebi a visita de uns amigos, que já não via há algum tempo. Temos horários desencontrados e por isso nem sempre é fácil encontrarmo-nos.
Nos dias que antecederam a ‘visita’ andei em preparativos, nunca mais chega o dia pensei. As o tempo não para e à medida que se aproximava a data, mais nervoso me sentia, não sabia o que oferecer para repasto, muito menos que sobremesa preparar… Será melhor ir à Mc? Ou a uma dessas casas de comida rápida? Não sei… Pensei e repensei, e concluir que o melhor seria preparar qualquer coisa, mesmo que simples, pois certamente eles iriam gostar.
A ansiedade foi crescendo e, eis que é chegado o grande dia…Foi grande a alegria no re-encontro. Conversámos, jantámos e deliciamo-nos com uma deliciosa sobremesa. O jantar foi muito agradável, e o tempo voou, nem o sentimos passar…

Se muitas das vezes no nosso dia-a-dia nos esmeramos para receber aqueles de quem gostamos, não nos devíamos também preparar para celebrar festivamente a Páscoa do Senhor?
Ou não será Ele o Senhor do tempo e da história? O Alfa e o Ómega, o Princípio e o Fim… Não sabemos quantas Quaresmas o Senhor nos dará ainda, sabemos apenas que somos peregrinos e por isso devemos abrir o nosso coração à Boa Nova!
Se assim fizermos, certamente o Dia de Páscoa terá outro sabor.

Um abraço,

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

O Aprendiz...

O Aprendiz

Um feiticeiro africano caminhava com o seu aprendiz pela floresta. Embora mais velho, caminhava com agilidade, enquanto o seu aprendiz escorregava e caía a todo o instante. O aprendiz blasfemava, levantava-se, cospia no chão traiçoeiro, e continuava a acompanhar o seu mestre. Depois de uma longa caminhada, chegaram a um lugar sagrado. Sem parar, o feiticeiro deu meia volta e começou a viagem de volta.
- Você não me ensinou nada hoje – disse o aprendiz, caindo mais uma vez.
- Ensinei sim, mas parece que não aprendeste – respondeu o feiticeiro. Estou a tentar ensinar-te como se lida com os erros da vida.
- E como lidar com eles?
- Como deverias lidar com as tuas quedas – respondeu o feiticeiro. Em vez de ficares amaldiçoando o lugar onde caíste, devias procurar era aquilo que te fez escorregar.
(Autor desconhecido)

* * *

Talvez este pequeno conto nos ajude a caminhar nesta Quaresma rumo à Páscoa, e pode ser que em cada dia aprendamos com as nossas pequenas quedas, se assim for a Quaresma teve sentido, porque a Quaresma não serve só para preparar esta Páscoa, serve também para melhorar a nossa vida. Que este tempo seja de reflexão, conversão e alegria, porque alegres caminharemos melhor e deixaremos à nossa volta um rasto de luz e esperança…

Um abraço,

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Amizade...

(Por vezes) Devemos homenagear os nossos amigos, porque também eles nos levam ''em busca do caminho...'' Porque o caminheiro não deve ir sozinho, é preciso alguém que o ajude a caminhar, que o ajude quando o cansaço toma conta de nós, ou quando deixamos de ''ver'' a estrela polar, e passamos a navegar à deriva...



Um abraço,

domingo, 10 de fevereiro de 2008

Amor vs Amizade...


Perguntei a um sábio ,
a diferença que havia
entre amor e amizade,
ele me disse essa verdade...
O Amor é mais sensível,
a Amizade mais segura.
O Amor nos dá asas ,
a Amizade o chão.
No Amor há mais carinho,
na Amizade compreensão.
O Amor é plantado
e com carinho cultivado,
a Amizade vem faceira,
e com troca de alegria e tristeza,
torna-se uma grande e querida
companheira.
Mas quando o Amor é sincero
ele vem com um grande amigo,
e quando a Amizade é concreta,
ela é cheia de amor e carinho.
Quando se tem um amigo
ou uma grande paixão,a
mbos sentimentos coexistem
dentro do seu coração.

William Shakespeare

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

As 5 Chagas...


O culto das Cinco Chagas do Senhor, isto é, as feridas que Cristo recebeu na cruz e manifestou aos Apóstolos depois da ressurreição, foi sempre uma devoção muito viva entre os portugueses, desde os começos da nacionalidade. São disso testemunho a literatura religiosa e a onomástica referente a pessoas e instituições. Os Lusíadas sintetizam (I, 7) o simbolismo que tradicionalmente relaciona as armas da bandeira nacional com as Chagas de Cristo. Assim, os Romanos Pontífices, a partir de Bento XIV, concederam para Portugal uma festa particular, que ultimamente veio a ser fixada neste dia.


ORAÇÃO: Deus de infinita misericórdia, que por meio do vosso Filho Unigénito, pregado na cruz, quisestes salvar todos os homens, concedei-nos que, venerando na terra as suas santas Chagas, mereçamos gozar no Céu o fruto redentor do seu Sangue. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Segredo...

SEGREDO

Sei um ninho.
E o ninho tem um ovo.
E o ovo, redondinho,
Tem lá dentro um passarinho
Novo.

Mas escusam de me atentar:
Nem o tiro, nem o ensino.
Quero ser um bom menino
E guardar
Este segredo comigo.
E ter depois um amigo
Que faça o pino
A voar...

Miguel Torga, in "Diário VIII"

* * *

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

O Quinto Império...

O Quinto Império

Triste de quem vive em casa,
Contente com o seu lar,
Sem que um sonho, no erguer de asa,
Faça até mais rubra a brasa

Da lareira a abandonar!
Triste de quem é feliz!
Vive porque a vida dura.
Nada na alma lhe diz
Mais que a lição da raíz --
Ter por vida sepultura.

Eras sobre eras se somen
No tempo que em eras vem.
Ser descontente é ser homem.
Que as forças cegas se domem
Pela visão que a alma tem!

E assim, passados os quatro
Tempos do ser que sonhou,
A terra será teatro
Do dia claro, que no atro
Da erma noite começou.

Grécia, Roma, Cristandade,
Europa -- os quatro se vão
Para onde vai toda idade.
Quem vem viver a verdade
Que morreu D. Sebastião?

Fernando Pessoa, in Mensagem
* * *

É preciso sonhar, é preciso que não nos sintamos cómodos e confortados com o que temos... Como seria bom se nunca nos sentíssemos ''cheios''. Foi o que acoonteceu aquando dos descobrimentos, aqueles homens e mulheres não se sentitam ''saciados'' com o que possuiam e decidiram partir em busca de algo mais... É certo que alguns nunca mais voltaram, D. Sebastião foi um exemplo, mas tomaram a iniciativa de partir. Para partir em viagem é preciso que nos desintalemos das nossas vidas, quebrar a rotina e ir mais além, porque enquanto formos vivos é sempre tempo de partir, não sejamos ''velhos do restelo'' que dizendo mal de tudo e de todos, passemos o resto das nossas vidas comodamente instalados com medo de iniciar uma nova aventura.
Que este tempo carnavalesco sirva para nos distrairmos um pouco, mas também para pensar um pouco mais nas nossas vidas, até porque não há só um caminho, há vários, basta descobrir e pode ser que nos surpreendamos com aquilo que encontrarmos...
Um abraço,