Tempos livres

domingo, 17 de maio de 2009

História do Cristo Rei...


Espoletar de um desejo
Foi ao contemplar a imponente imagem de Cristo Redentor do Corcovado, no Rio de Janeiro, em 1934, que nasceu em D. Manuel G. Cerejeira, então Cardeal Patriarca de Lisboa, o desejo de construir semelhante obra frente a Lisboa. Em 1936, a ideia é acolhida entusiasticamente pelo “Apostolado de Oração” e proclamada oficialmente, no ano seguinte, na Pastoral Colectiva da Quaresma, altura em que o Cardeal recebe a necessária aprovação e apoio de todo o Episcopado Português.


Monumento de gratidão nacional
A 20 de Abril de 1940, em plena II Guerra Mundial, os Bispos, reunidos em Fátima, fizeram um voto que conferiu um novo sentido ao Monumento: “Se Portugal fosse poupado da Guerra, erguer-se-ia sobre Lisboa um Monumento ao Sagrado Coração de Jesus, sinal visível de como Deus, através do Amor, deseja conquistar para Si toda a humanidade”. Portugal não entrou na Guerra, o que deu um novo vigor à Campanha Nacional de angariação de fundos para a construção do Monumento.

A Construção
A construção do Monumento a Cristo Rei, da autoria do Mestre Francisco Franco, inicia-se a 18 de Dezembro de 1949, data em que é lançada a 1ª Pedra, terminando cerca de uma década depois. A imagem de Nossa Senhora da Paz, que se encontra na Capela do Monumento, é do Mestre Leopoldo de Almeida e o projecto do Arquitecto António Lino e do Engenheiro D. Francisco de Mello e Castro.
No 25º Aniversário do Santuário de Cristo Rei, em 1984, é aprovado o Plano Geral de Ordenamento para os terrenos do Santuário, a cargo dos Arquitectos Luiz Cunha e Domingos Ávila Gomes. É nesta altura que nasce o Edifício de Acolhimento do Santuário.


A Inauguração
O Monumento a Cristo Rei inaugurou-se a 17 de Maio de 1959, Dia de Pentecostes, perante a imagem de Nª Srª de Fátima, com a participação de todo o Episcopado Português, os Cardeais do Rio de Janeiro e de Lourenço Marques (Maputo), autoridades civis e 300 mil pessoas. Sua Santidade o Papa João XXIII fez-se presente por Rádio-Mensagem. Nas palavras do Cardeal Cerejeira: "Este será sempre um sinal de Gratidão Nacional pelo dom da Paz".

Sem comentários: