Tempos livres

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Amar...

Não é possível amar o próximo como a si mesmo e perseverar nesta atitude sem a firme e constante determinação de se empenhar em prol do bem de todos e de cada um, porque todos nós somos verdadeiramente responsáveis por todos 44. Segundo o ensinamento conciliar, «o nosso respeito e amor devem estender-se também àqueles que pensam ou actuam de modo diferente de nós em matéria social, política ou até religiosa. Aliás, quanto mais intimamente compreendermos, com delicadeza e caridade, a sua maneira de ver, tanto mais facilmente poderemos com eles dialogar»45. Nesse caminho é necessária a graça, que Deus oferece ao homem para o ajudar a superar os falhanços, para o arrancar da voragem da mentira e da violência, para o sustentar e incentivar a tecer de novo, com espírito sempre renovado e disponível, a rede das relações verdadeiras e sinceras com os seus semelhantes46.

44 Cf. JOÃO PAULO II, carta encícl. Sollicitudo Rei Socialis, n.º 38, AAS 80, 1988, p. 565-566.
45 CONCÍLIO VATICANO II, const. past. Gaudium et Spes, n.º 28, AAS 58, 1966, p. 1048.
46 Cf. Catecismo da Igreja Católica, n.º 1889.
 
(in Compêndio da Dourina Social da Igreja)

Sem comentários: